Santuário

Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem

08h30

11h
18h
19h30
21h
07h
08h
18h15
07h
08h
18h15
07h
08h
18h15
07h
08h
12h15
18h15
07h
08h
12h15
18h15
07h
08h
18h15
Domingo - Missa

07h

Você está em:

As riquezas do Missal de Paulo VI- Do livro à vida-artigo do Padre Márcio Pimentel, Paróquia São Sebastião e São Vicente

A Liturgia não se encontra nos livros. Ainda que estes sejam de grande importância para garantir a unidade e comunhão na mesma fé, bem como a ordem adequada das celebrações e – nos livros litúrgicos pós-conciliares, sobretudo – a teologia dos ritos e as orientações pragmáticas, eles são incompletos. A celebração enquanto acontecimento hermenêutico corresponde ao ponto de chegada de um itinerário interpretativo, bem como revela sua finalidade funcional, como também o seu sentido4.

A arte de celebrar (ars celebrandi ) não se restringe ao uso correto do livro litúrgico, na correta observação das indicações rubricais, às quais Bonaccorso denomina dimensão sintática. Ao estudar a Liturgia para melhor participarmos das celebrações da Igreja e bebermos do Espírito de Cristo, é preciso nos dar conta que ela comporta concepções várias, dentre elas, ao lado da sintática (rubricas), o aspecto semântico (significado histórico), referencial (significado teológico) e pragmático (significado pastoral)5. Reduzi-la a quais quer de um destes significados não só resultaria reduzir a importância das celebrações, como também desfigurar seu sentido mais determinante. Ou seja, pensar a celebração apenas em termos funcionais, isto é, do ponto de vista do cumprimento daquilo que está em vermelho, desconsiderando o quadro geral no qual os ritos emergem, isto é o seio de uma comunidade concreta (dimensão histórica), ou desvencilhá-los de sua conexão com a História da Salvação (dimensão teológica) e do horizonte espiritual para o qual mediam a comunidade celebrante (dimensão pastoral) é um labor, no mínimo, estéril.

Bento XVI, na exortação apostólica pós-sinodal Sacramentum Caritatis, assevera que a arte de celebrar consiste em corresponder à normativa oriunda dos livros litúrgicos. Assim se lê no número 38: “a arte da celebração é a melhor condição para a participação ativa (actuosa participatio). Aquela, resulta da fiel obediência às normas litúrgicas na sua integridade […].” Embora esta afirmação seja legítima, compreende-se que a ars celebrandi seja bem mais do que atender às normas. Por si só, elas não são capazes de conferir a vitalidade do culto, que advém não da letra (nem vermelha e nem preta), mas do Espírito. Assim, poderíamos pensar os livros litúrgicos como partituras. Sem o sopro vivificante do músico, permanece letra morta. E, sabemos, que a obra de arte não consiste na execução meticulosa da peça, conforme os cânones e códigos interpretativos presentes na escrita musical. A arte, vai além. Supera o mapa que é a partitura.

Esta compreensão fechada da ars celebrandi, levou a Igreja, por exemplo, a coibir a própria riqueza dos Livros Litúrgicos que, na reforma requerida pelo Concílio, deveria fazer sentir o sopro do Espírito presente na vida pulsante das pessoas nas diversas culturas espalhadas pelo orbe. Quando um documento como o Liturgia Authenticam exige que o trabalho de tradução das Conferências Episcopais se limite a repetir sintática e semanticamente as edições típicas vaticanas, sem fazer corresponder à vitalidade das línguas em uso, o conteúdo e o sentido teológico das sentenças latinas, não estamos diante de um procedimento que promova a verdadeira arte de celebrar.

Neste contexto, quase três décadas depois, o Papa Francisco redescobre este valor, já presente na Sacrosanctum Concilium – da necessária adaptação às várias índoles culturais – e devolve a competência às Conferências Episcopais nacionais, uma vez que são estes mesmos bispos os primeiros litúrgicos, isto é, responsáveis por zelar e promover a Liturgia em suas Igrejas (Cf. Sacramentum Caritatis 39). De fato, conforme o próprio Papa Francisco adverte, que “o que define a liturgia é a concretização, nos santos sinais, do sacerdócio de Jesus Cristo, ou seja, a oferta da sua vida até estender os braços na cruz, sacerdócio tornado presente de maneira constante através dos ritos e das orações, maximamente no seu Corpo e Sangue, mas também na pessoa do sacerdote, na proclamação da Palavra de Deus, na assembleia congregada em oração em seu nome (cf. SC, 7).”

4 Cf. GIRARDI, Luigi. Celebrare com il LIbri Liturgici: arte e stile. In. Rivista Liturgica. “Ars celebrandi”. Um manuale per l’uso? Padova: Edizioni Mesaggero Padova, Abbazia S.Giustina, , ano XCVIII, fasciolo 6, 2011, p. 964(48)s.
5Esta é uma leitura semiótica da Liturgia que Giorgio Bonarccorso apresenta em seu Introduzione allo studio dela Liturgia. Padova: Edizioni Messaggero Padova, 1990, p. 49.

 

 

 

 

 

Padre Márcio Pimentel é especialista em Liturgia pela PUC-SP e mestrando
em Teologia na Faculdade Jesuíta de Teologia e Filosofia (Faje / Capes)
Paróquia São Sebastião e São Vicente